Relato Prof.ª Marcella Lopes Guimarães

Breve relato sobre minha experiência como Professora Visitante na Universidade de Poitiers, entre maio de junho de 2014.

Narrar uma experiência é organizá-la para si mesmo, mas publicar o relato é dividir a vivência e a sua interpretação com outras pessoas, os leitores interessados. De 25 de maio a 28 de junho, vivenciei uma série de experiências acadêmicas, institucionais e pessoais muito importantes para mim, como Professora Visitante da Universidade de Poitiers, junto ao CESCM (Centre d’études supérieures de civilisation médiévale). Uma temporada de longos 34 dias. Por que longos 34 dias? Porque desde minha inscrição dentro da chamada feita pela Universidade de Poitiers, até minha preparação individual, a partida e a chegada ao Brasil, posso contar mais de um ano!

A relação entre o NEMED e o CESCM existe desde 2010, quando os colegas Fátima Regina Fernandes e Renan Frighetto foram convidados a participarem das Semaines d’Études Médiévales pelo Prof. Stéphane Boissellier, nosso principal parceiro desde então. Assim, desde 2010, nosso contato tem sido frutífero, com idas e vindas sobrevoando o Atlântico, e já um certo número de publicações. Minha temporada em Poitiers foi mais um capítulo da relação acadêmica entre nossos laboratórios. Minha experiência na universidade francesa também aproximou nossas instituições, que tinham um convênio e que, agora, depois de minha temporada lá, tentam retomá-lo. Foi também uma oportunidade de conhecer arquivos, fazer pesquisas e ir a lugares que eu particularmente ainda não conhecera.

Em minha temporada, atuei de 3 formas diferentes: participei dos trabalhos de tradução da Crônica de D. Fernando (escrita pelo cronista português Fernão Lopes), dirigida pelo Prof. Stéphane Boissellier; ministrei um ateliê consagrado a fontes literárias galego-portuguesas dentro da agenda das Semaines d’Études Médiévales e participei ativamente das Semaines, como debatedora. No quadro das Semaines, ainda, acompanhei o grupo de colegas e os alunos nas excursões organizadas pelo CESCM, a Chinon, Fontevraud e Saint-Savin. Muitas das sensações e descobertas que fiz, divulguei quase instantaneamente em meu perfil do Facebook e ainda estão disponíveis por lá.

Não é muito frequente, estando afastados da família e vivendo intensamente outra cultura em outro idioma, sentirmo-nos confortáveis, entre amigos… Pois bem, superado o fuso, estive sempre entre amigos e fiz outros, a quem admiro e que se constituem também minha bibliografia agora. Como é bom ter uma biblioteca cheia de afetos! Agradeço especialmente a Stéphane Boissellier ter aberto a sua casa e me emprestado a sua família, ao amigo Charles Garcia o desvelo e a constância junto a mim e à Cécile Treffort, a amizade e o apoio. Incluo a felicidade de ter convivido com a excelente Claude Andrault-Schmitt, com a alegria de Marcello Angheben, com a gentileza de Stephen Morrison e a simpatia de Vanessa Ernst-Maillet e Catherine Girault.

Marcella Lopes Guimarães.
UFPR/NEMED