Islamização da África ou africanização do Islã?

Lucas Engels

Apresentação em slides: Islamização da África ou africanização do Islã?

Roteiro de discussão em sala:

O objetivo do trabalho é problematizar a relação direta entre causa (expansão dos árabes sobre o norte da África) e consequência (unidades políticas do norte da África tornam-se majoritariamente islâmicos), de modo a demonstrar que essa dinâmica muitas vezes é apenas um modelo imposto sobre o passado pela historiografia. A demonstração da complexidade do processo histórico referido será outro objetivo deste material principalmente quanto às relações entre os povos do norte da África e a religião islâmica e as formas como elas se deram: comércio, guerras, pactos políticos, migrações, dentre outros. Ao longo do texto serão feitos links com situações atuais para possibilitar uma abordagem história que não se limite ao passado, de modo a problematizar estereótipos dessas populações regiões que são reforçados diariamente na sociedade, principalmente pela mídia.

SLIDE 01 – Título

SLIDE 02 – Islã hoje: de modo a buscar despertar o interesse dos alunos, este mapa mostra o percentual de muçulmanos na população de cada país. Fica nítida a presença da religião no Oriente Médio, no norte da África, na costa leste da África e na Indonésia.

Atualidades (Brasil): http://www.fambras.org.br/

https://www.gazetadopovo.com.br/haus/arquitetura/conheca-a-arquitetura-da-mesquita-que-ajudou-a-integrar-sunitas-e-xiitas/

SLIDE 03 – No século X da era cristã: Trecho de uma fonte de Ibn-Hawgal para demonstrar as dimensões do Império do Islã no século X da era cristã. Nesse momento é interessante retornar ao slide anterior para comparar as regiões descritas por Ibn-Hawgal com os números do mapa atual.

SLIDE 04 – O Norte da África: Mapa amplo da região do foco deste material. Questionar a turma sobre o que é perceptível na imagem.

SLIDE 05 – O Saara: Trecho de bibliografia sobre o Saara de um ponto de vista sócio histórico. Frisar a condição do deserto como um filtro e não como uma barreira, como um “mar de areia”.

SLIDE 06 – O Mediterrâneo: Trecho de uma fonte de Ibn Khaldun, de modo a demonstrar a visão de um muçulmano do norte da África sobre o mar Mediterrâneo, ao qual estamos habituados a enxergar do ponto de vista europeu.

SLIDE 07 – O Sahel: Mapa que destaca a região do Sahel. É uma zona de transição entre o deserto e a savana africana de clima com características próprias.

Atualidade: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2016/09/06/O-que-%C3%A9-a-Grande-Muralha-Verde-da-%C3%81frica

SLIDE 08 – A cordilheira de Atlas: Mapa focado na cordilheira de Atlas. Importante apontar as formações montanhosas no mapa e a divisão entre as zonas com vegetação (litoral) e sem vegetação (interior). Questionar a turma sobre o que é perceptível no mapa.

SLIDE 09 – O rio Nilo: Mapa que destaca o rio Nilo (norte à direita). Destacar os locais onde há vegetação (litoral, margens do rio e ao sul do deserto), de modo a demonstrar a importância do rio para a região.

Atualidade: https://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/the-new-york-times/2015/10/04/etiopia-constroi-represa-e-ameaca-o-volume-do-rio-nilo-para-o-egito.htm

SLIDE 10 – A península Arábica: Mapa da península Arábica (norte à direita). Destacar a ausência de grandes rios e de vegetação na região.

SLIDE 11 – A Tábula Rogeriana de al-Idrisi: Imagem da representação cartográfica feita pelo geógrafo al-Idrisi. Perguntas que podem gerar um debate interessante: onde é o centro do mapa? Por que? Ele deveria estar em outro lugar? Por que?

Artigo sugerido: SOUZA, Celia Daniele Moreira de. A cartografia de al-Idrisi na análise da interculturalidade islâmico-normanda na Sicília medieval (séc. XII). Brathair. São Luís, vol. 15, n. 2, pp. 186-202. 2015. Disponível em:

<http://ppg.revistas.uema.br/index.php/brathair/article/view/1086>.

SLIDES 12 e 13 – “Africanização? Islamização?”: Nestes slides estão dois trechos que iniciam o debate sobre essa dualidade, é importante trabalhar a noção de simultaneidade, para além da noção de sequência. A concomitância de culturas diversas interagindo é uma noção fundamental. Apesar do protagonismo do islã, a permanência de costumes autóctones até a atualidade deve ser frisada.

SLIDE 14 – Árabes: A partir desse slide serão levantadas algumas informações sobre os povos envolvidos no processo histórico do material. Começando pelos árabes, a imagem retrata a Batalha de Badr entre os muçulmanos de Medina e o clã dos coraixitas (624), é interessante apontar a presença do profeta, cujo rosto está coberto em respeito. É importante ressaltar a recém unificação dos grupos árabes em torno do islã.

SLIDE 15 – Egito: Neste slide está uma breve descrição do Egito na época do avanço muçulmano. A imagem representa Jesus segundo a crença dos monofisitas: cuja natureza era apenas a divina e não uma dualidade entre a natureza humana e a divina. É importante ressaltar a importância do Egito para a produção agrícola da região e a disputa pelo seu domínio entre sassânidas e bizantinos.

Atualidade: https://veja.abril.com.br/mundo/no-egito-cristaos-e-muculmanos-se-unem-para-proteger-igrejas/

SLIDE 16 – Berberes: Os grupos berberes foram assim chamados por Ibn Khaldun em uma adaptação do termo greco-latino “bárbaros”. A imagem retrata um grupo atual de berberes no deserto do Saara, demonstrando as permanências culturais na região. Os diversos grupos e seus nomes podem ser melhor analisados no capítulo “A conquista da África do Norte e a resistência berbere” no terceiro volume da História Geral da África.

Atualidade: https://xadrezverbal.com/2017/06/21/fronteiras-invisiveis-do-futebol-37-argelia/

SLIDE 17 – Tuaregues: Os tuaregues foram destacados por serem os povos que dominam o deserto do Saara. A imagem também representa um tuaregue na atualidade, os panos azulados são uma característica desse povo. Muitas vezes podem ser encarados como berberes.

SLIDE 18 – Bizantinos: Neste slide, não se faz necessário um grande aprofundamento sobre os bizantinos em si, mas demonstrar a situação política do império. Sobre os Sassânidas é interessante buscar uma abordagem que não os coloque como meros inimigos dos bizantinos. Quanto a estes no norte da África, é fundamental mencionar a reconquista de Justiniano e o posterior desgaste político e econômico pelo qual o império passou.

SLIDE 19 – A Expansão: Este slide apresenta um trecho de fonte do primeiro califa Abu Bakr, um discurso às tropas que partiriam para as conquistas externas à península Arábica. É interessante levar os alunos a notarem algumas questões presentes no trecho como a “moralidade” e a questão do tributo. Além da fonte, alguns tópicos que demonstram as motivações e as razões do sucesso da expansão militar. É interessante retomar as considerações iniciais sobre o espaço da península arábica (Slide 10) e sobre os árabes (Slide 14).

Sobre os califas: https://interactive.aljazeera.com/aje/2016/the-caliph-islamic-history/index.html

SLIDE 20 – Mapa: O tema do mapa é a expansão territorial do califado. É interessante destacar a simultaneidade do movimento em várias direções.

SLIDE 21 – O Comércio: Neste slide aborda-se a relação entre a atividade comercial e a expansão do islã pela região. O comércio entre o norte da África e a península Arábica é antigo, principalmente através do Mar Vermelho e das caravanas do deserto. São apresentados alguns pontos que justificam essa vinculação.

SLIDE 22 – Mapa: De modo a retomar a noção do deserto como um “mar de areia” e não como uma barreira intransponível, esse mapa apresenta as principais rotas de comércio do Saara Ocidental. Para algumas descrições dessas rotas recomendam-se os relatos de viajantes muçulmanos da época (exemplo: Ibn Battuta).

SLIDE 23 – Os povos do norte da África e os Árabes (Coptas e Bizantinos): Para demonstrar o contato entre os povos e evitar explicações simples de pura sequência de fatos que culminam no domínio islâmico da região dividimos as relações de cada população com o novo ator. Quanto aos coptas será destacado o acordo feito com os árabes para a garantia da liberdade religiosa por meio do pagamento de tributos. Sobre os bizantinos, serão abordadas as relações bélicas, visto que foi a condição que determinou a relação entre os dois.

SLIDE 24 – Os povos do norte da África e os Árabes (Berberes e Tuaregues): Relação plural e complexa de acordo com cada kabila. Destaque para a resistência liderada pela profetisa Kahina, cuja figura está representada na estátua da imagem, localizada na Argélia. Quanto aos tuaregues, o contato se deu pelo comércio, retomar as considerações sobre o tema (Slide 21).

SLIDE 25 – O Domínio Árabe: Após a conquista militar ou política da região, ela foi dividida em três províncias, mencionadas no slide, emulando as estruturas administrativas do império bizantino. A fundação de cidades pelos árabes se dava por questões que envolviam a própria expansão política dos árabes, mas também a manutenção da coesão da comunidade muçulmana, de certa forma apartada das demais.

SLIDE 26 – Os Fatímidas: Este slide possui este tema como modo de demonstrar que o Norte da África também foi um centro de poder importante no mundo islâmico. Para além do que está contido no slide, é interessante destacar que essas divisões demonstravam que o mundo islâmico não era uniforme, pelo menos não durante toda a sua expansão e consolidação, de modo a também reelaborar possíveis imagens reducionistas passadas pela grande mídia para a população atualmente.

SLIDE 27 – Mapa: Demonstra a dimensão do califado Fatímida, incluindo as cidades de Meca e Medina, além de Jerusalém.

SLIDE 28 – Referências

SLIDE 29 – Referências